livro_orquestrareichLivro, que será lançado terça-feira (2) e investiga relação da orquestra alemã com o regime nazista, é resultado de parceria entre o DeMús e a editora Perspectiva.

O Departamento de Pós-Graduação em Música da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em parceria com a editora Perspectiva, lança, na próxima terça-feira (2), o livro “A Orquestra do Reich – a Filarmônica de Berlim e o Nacional-Socialismo”, do canadense Misha Aster, com tradução do professor Rainer Patriota e Ibaney Chasin, da UFPB. O evento será realizado às 19h, na Usina Cultural Energisa, localizada na Avenida Juarez Távora, 243, na Torre, em João Pessoa.

Na ocasião, haverá um debate sobre a relação da Filarmônica de Berlim durante o regime nazista, conduzido pelos professores Ibaney Chasin, autor do posfácio do livro, e Eduardo Rabenhorst, vice-reitor da UFPB. A entrada é gratuita.

Segundo o professor Ibaney Chasin, em “A Orquestra do Reich- A Filarmônica de Berlim e o Nacional – Socialismo”, o autor investiga de modo pioneiro a subserviência da mais perfeita orquestra do mundo à ideologia nazista. Na opinião de Chasin, tão escandaloso quanto as turnês de propaganda e os expurgos nazistas é o modo como o oportunismo e o populismo passaram a pautar as escolhas musicais e a moldar uma razão cínica.

Excelência

A Orquestra Filarmônica de Berlim, desde a sua criação no final do século XIX, era sinônimo de excelência na música de concerto. Nos anos 1930, começou a passar por problemas financeiros gravíssimos, quando o nazismo ascendeu ao poder. Percebendo a oportunidade de controlar e utilizar o prestígio internacional, Joseph Goebbels (ministro da propaganda do Reich) fez o Estado assumir as contas e a programação da Filarmônica. A orquestra aceitou essas vantagens como uma combinação de agradecimento e receio, ao mesmo tempo em que buscava justificativas para sua posição no regime.

Fonte:  Agência de Notícias da UFPB