No dia 30 de outubro 2013, quarta-feira, às 19h30, no mezanino do Teatro Tuca – PUC/SP, o professor Antonio Rago mediará a “mesa” formada por Ibaney Chasin, Antonio Ribeiro e Leonardo Martinelli que discutirá as relações entre o Filarmônica de Berlim e o Reich nazista. O tema desdobra e divulga o livro recém lançado – A Orquestra do Reich: A Filarmônica de Berlim e o Nacional-Socialismo, de Misha Aster – que foi traduzido por Rainer Patriota e Ibaney Chasin, e publicado, em 2013, pela Editora Perspectiva em parceria com a UFPb.

Nesta mesa, as questões que tangem a relação entre arte-vida, música e realidade social, interpretação musical e história formarão o centro da tematização. Como entender a busca por uma sonoridade imperiosa, pura, pela Filarmônica de Berlim, sem atentar para a dimensão ideológica que marcou o Romantismo alemão? Como entender a arrogância nascida de uma orquestra e povo que se têm como superiores sem compreender que música e vida se unem visceralmente em qualquer tempo? Então, Romantismo e nazismo se atam, ainda que se distingam e mesmo se contradigam.

Na noite do dia 30 de outubro 2013, a palavra teórica abordará tais problemas artísticos, que ainda hoje são pungentes e ativos, efetivamente centrais para a música, ainda que nós, músicos, não tenhamos consciência disso.

Todos estão convidados!